Especialistas Participantes
Edson Mori
Conteúdo

Descrição

Especialistas

Instituições

Informações

Simpósio

Equipe e Conselheiros

English Japanese
Spanish Portuguese

JANM Logo
Japanese American
National Museum


Edson Mori é nipo-brasileiro de terceira geração e bolsista Mombusho (Ministério da Educação do Japão), estando atualmente cursando o doutoramento na Escola de Pós-Graduação de Negócios e Comércio da Universidade Keio. Tem o título de MBA em Administração Geral e Negócios Internacionais pela "The Anderson" Escola de Pós-Graduação de Administração da UCLA. É fluente em inglês, português e japonês. Suas áreas de interesse são administração geral corporativa, gerenciamento e relações internacionais.

e-mail: edsonm@iadb.org

Resumo da Proposta de Pesquisa
Contribuições econômicas dos 'dekasseguis' nipo-brasileiros no Brasil e no Japão

Edson Mori propõe a realização de uma pesquisa qualitativa e quantitativa das contribuições dos dekasseguis nipo-brasileiros para as economias do Brasil e do Japão. O termo "dekassegui" é uma transliteração portuguesa da palavra japonesa dekasegi, que se refere à prática do estabelecimento temporário de uma pessoa fora de seu local de origem a fim de trabalhar e com a intenção de retornar à sua terra natal. Durante a Era Tokugawa (1602-1868), a palavra "dekassegui" referia-se à migração interna. Entretanto, na Era Meiji (1868-1912), o termo passou a englobar a sentido de migração externa, incorporando posteriormente o conceito de migração temporária de nipo-brasileiros ao Japão, fato que tem evoluído desde meados dos anos 80 e atingiu seu apogeu em meados da década seguinte. O fenômeno é um reflexo da globalização das economias, onde os desequilíbrios de oferta e demanda de mão-de-obra geram a migração de trabalhadores de países menos desenvolvidos para nações mais industrializadas. O fenômeno dekassegui ou a migração de mão-de-obra tem sido uma fonte de riqueza tanto para a economia brasileira quanto a japonesa. No Brasil, as remessas oficiais de dinheiro no início da década de 90 chegava a 0,4% do PIB brasileiro. Considerando também os números não oficiais, o aumento verificado seria ainda maior. No Japão, as cidades com concentrações de nipo-brasileiros beneficiaram-se com a introdução de pequenos negócios e serviços étnicos que atendem as redes transnacionais. O estudo de Edson Mori enfocará o impacto desse fenômeno sobre as economias das duas nações e sobre a comunidade nikkei no Brasil.



O trabalho intitulado “Uma perspectiva econômica dos fenômenos dekasegui” aborda a questão da revelação da migração de mão de obra japonesa – brasileira ao Japão.
Embora o fenômeno dekasegui já exista há dez anos, os benefícios econômicos gerados pelo mesmo tanto para os indivíduos como para o país ainda permanecem uma área inexplorada pelos estudiosos e pesquisadores no campo das ciências econômicas e sociais.
As características das remessas feitas pelos dekasegui e a sua natureza na fase inicial inseridas num cenário de extrema instabilidade macroeconomia são discutidas nesse estudo.
O trabalho identifica também as principais dificuldades em obter dados precisos para análise e aponta as suas causas. O estudo enfatiza, ainda, o volume considerável dessas remessas estabelecendo uma comparação com outros produtos comercializados na balança de pagamentos do Brasil. Outro aspecto abordado pelo estudo é a comparação teórica entre os dekasegui e outras ondas de migração brasileira.
O impacto da crise recente no Japão afetou não apenas os japoneses mas também atingiu de forma negativa a maioria dos dekasegui que temem a ameaça do desemprego.
O trabalho busca elaborar um modelo matemático para ilustrar o efeito da perda do emprego sobre o tempo total que o trabalhador-hóspede espera permanecer no país anfitrião. E na última seção eu abordo a questão do uso destes recursos e as principais dificuldades do ponto de vista econômico após o retorno ao Brasil.