Especialistas Participantes
Emilia Yumi Kasamatsu
Conteúdo

Descrição

Especialistas

Instituições

Informações

Simpósio

Equipe e Conselheiros

English Japanese
Spanish Portuguese

JANM Logo
Japanese American
National Museum


Emi Yumi Kasamatsu, nipo-paraguaia de segunda geração, é professora assistente de Filosofia na Universidade Nacional de Assunção. Fala fluentemente espanhol, japonês, inglês e guarani, além de participar ativamente de organizações no Japão, em Washington D.C. e no Paraguai. É fundadora de associações culturais e organizadora de atividades em prol de um entendimento melhor entre a América Latina e o Japão, sendo a viúva do Embaixador do Japão no Brasil e em outros países. É também autora de contos, artigos e livros.


e-mail: emikasa@rieder.net.py

Resumo da Proposta de Pesquisa
A nova perspectiva do nikkei: Um desafio para o próximo milênio

A proposta da Profa. Emilia Kasamatsu é estudar o papel social, político e econômico do nikkei no Paraguai e em outros países. Seu objetivo é explorar maneiras de como a comunidade nikkei pode exercer uma influência efetiva no desenvolvimento sócio-econômico paraguaio no próximo milênio. Entre os imigrantes japoneses nos países pan-americanos, o nikkei paraguaio é o exemplo mais recente, atingindo uma população de aproximadamente 7.000 indivíduos. A maioria dos nikkeis é de segunda geração, mas a influência da primeira geração ainda é muito significativa. O desafio nikkei para o século XXI será o de conseguir uma integração política, econômica e social mais ampla no Paraguai e em outros países do Mercosul (Argentina, Brasil, Paraguai, Uruguai, Chile e Bolívia), que também contam com uma população imigrante japonesa.



No fim deste século, quanto mais a fase final se aproxima, o mundo parece mais complicado e mais agitado politicamente. Se a crise econômica voltar, o uso ilegal de drogas e seu tráfico aumentarão, o mesmo ocorrendo com os crimes violentos; tanto as áreas rurais quanto a periferia dos centros urbanos passarão novamente por uma fase de pobreza extrema, e a instabilidade política, que torna difícil a co-habitação humana, será intensificada.

Isso é uma rede de complexidades que afeta a maioria dos países latino-americanos, particularmente o Paraguai, e que requer a presença de líderes para liderar e guiar a população rumo a uma era moderna e democrática de cooperação mútua, de apoio solidário que promoverão um desenvolvimento e um crescimento mais eficiente e vigoroso.

O ingresso da população nikkei (cuja história da imigração está chegando ao seu centenário em nações como o México, o Peru e, em breve, no Brasil) na faixa majoritária da sociedade torna-se viável devido ao progresso ascendente dos nikkeis em sua trajetória de adaptação ambiental. E é concebível que líderes nikkeis possam surgir no cenário nacional como aqueles que levarão suas nações particulares a uma jornada rumo ao desenvolvimento e ao progresso. Enquanto isso, em outros países como o Paraguai, cuja história imigratória teve início somente há sessenta anos, ainda se faz necessário um processo de interação, um interesse legítimo no estudo da questão de desenvolvimento nacional e um engajamento em questões políticas, de forma tanto eficiente quando inteligente.

Este trabalho estudará a crescente necessidade de formação de líderes nikkeis, assim como do despertar da juventude nikkei quanto ao engajamento na liderança nacional de seu país como um desafio e como seu dever para o próximo milênio.

Para isso, há certos meios de mecanismos complementares, como encontros nacionais e internacionais de nikkeis, cursos preparatórios de liderança nikkei, ou a participação em importantes convenções como as Convenções Pan-americanas Nikkei, onde vários profissionais e jovens nikkeis têm a oportunidade de se reunir para discutir assuntos de relevância e costumes relacionados à sociedade nikkei, cujo mote é “Ser cidadãos melhores em nossos próprios países”.

À medida que o novo milênio se aproxima com grande expectativa, devemos nos comprometer a cumprir nossos papéis de cidadãos honestos e trabalhadores para criar comunidades emergentes e de membros ativos da sociedade, que se responsabilizarão pelos rumos do país.