Especialistas Participantes
Doris Moromisato Miasato
Conteúdo

Descrição

Especialistas

Instituições

Informações

Simpósio

Equipe e Conselheiros

English Japanese
Spanish Portuguese

JANM Logo
Japanese American
National Museum


Nascida no Peru, Doris Moromisato Miasato é filha de imigrantes japoneses da província de Okinawa. É bacharel em Direito e Ciência Política pela Universidad Mayor de San Marcos. Como escritora, publicou vários livros de poesia, contos e ensaios e inclusive sobre a imigração japonesa no Peru. Trabalha como jornalista para o Perú Shimpo e é diretora de várias instituições, como a Asociación Femenina Okinawense del Perú e o Centro de Comunicación y Cultura para la Mujer –COMYC. Foi bibliógrafa durante o primeiro ano do INRP no Museu de Imigração Japonesa no Peru. É especialista em gênero e promove a cultura feminina. Seu interesse concentra-se na construção simbólica, cultural e artística da comunidade nikkei.


e-mail: dmoromisato@blockbuster.com.pe

Resumo da Proposta de Pesquisa
Construção simbólica do feminino e do masculino na comunidade nikkei peruana

A pesquisadora Doris Moromisato Miasato afirma que a persistência da identidade nikkei existe graças a sua afinidade e cumplicidade com um mundo simbólico construído coletiva e voluntariamente; que a construção simbólica do feminino e do masculino também nutriu esse ato criativo de identidade. No entanto, o que se nota é que em 100 anos de imigração japonesa ao Peru, o desequilíbrio de poder entre homens e mulheres vem produzindo conflitos e resistência na comunidade nikkei, tanto no âmbito privado como no público: desde conflitos familiares até a ausência feminina em suas instituições. A investigação baseia-se na situação real da comunidade nikkei peruana: 1) uma crescente tendência à exogamia: o Censo de 1989 mostra um terço (33%) de matrimônios inter-raciais ou com peruanos sem descendência japonesa—vontade de fusão racial ou dissidência racial?, pergunta a pesquisadora; 2) valores, crenças e significados do feminino e do masculino são diferentes para cada geração; 3) as mulheres sansei, ou de terceira geração, nascidas depois de 1960, negam-se a participar de instituições femininas, pois as consideram domésticas e segregadoras, assim como um obstáculo para o desenvolvimento de suas carreiras profissionais e sua integração à sociedade peruana; e 4) a ausência de mulheres líderes. Doris Moromisato propõe um estudo sobre a construção da identidade e das relações de poder nos espaços públicos e privados de uma perspectiva do gênero, através de uma análise quantitativa e qualitativa de imagens e discursos em textos e gráficos, assim como entrevistas com mulheres e homens de diferentes gerações da comunidade nikkei peruana.