Especialistas Participantes
Yasuo Sakata
Conteúdo

Descrição

Especialistas

Instituições

Informações

Simpósio

Equipe e Conselheiros

English Japanese
Spanish Portuguese

JANM Logo
Japanese American
National Museum


O Prof. Yasuo Sakata é diretor do Centro Internacional da Universidade Osaka Gakuin, Japão, desde 1993. Estudou História da Ásia Oriental na Universidade da Califórnia em Los Angeles, sendo famoso no campo de estudos de imigração como um dos principais experts sobre imigração japonesa à América do Norte. Tem várias obras publicadas, tanto em inglês quanto em japonês, abordando diversas questões históricas a respeito dos nipo-americanos no período pré-Segunda Guerra Mundial.

e-mail: y-sakata@utc.osaka-gu.ac.jp

Resumo da Proposta de Pesquisa
Ainda um passado enterrado

No início da década de 60, o falecido T. Scott Miyakawa, primeiro diretor do Projeto de Pesquisa Nipo-americano estabelecido na Universidade da Califórnia em Los Angeles, visualizou um objetivo: "escrever uma história definitiva dos japoneses nos Estados Unidos". Mais de 30 anos mais tarde, um aluno de pós-graduação pode talvez ficar impressionado com a grande quantidade de monografias e trababalhos gerais referentes aos Estudos Nipo-americanos. Entretanto, apesar dos esforços dos pesquisadores durante décadas, a experiência nipo-americana nos anos compreendidos entre as duas Guerras Mundiais permanece relativamente inexplicada. Da mesma forma, o que o issei havia passado na costa oeste dos Estados Unidos antes do Grande Terremoto de São Francisco em 1906 também continua um tema inexplorado e, portanto, enterrado. Por exemplo, os pesquisadores ainda precisam explicar empiricamente quando e de que modo as comunidades de imigrantes japoneses começaram a se concentrar em lugares como São Francisco e Sacramento, cujo movimento se intensificou a partir do início da década de 1890. O Prof. Sakata propõe realizar uma pesquisa baseada em fontes originais para ajudar a descobrir um "passado ainda enterrado". Neste projeto, seus planos incluem uma visita aos Arquivos Nacionais, ao Escritório de Imigração e ao Departamento do Tesouro em Washington D.C. Em Sacramento, realizará uma pesquisa nos registros legistativos e em jornais. A pesquisa do Prof. Sakata ajudará a explicar melhor os primórdios da comunidade nikkei nos Estados Unidos.



A pesquisa proposta tem por objetivo explorar um segmento da história da imigração japonesa que ainda é um “passado enterrado”.
Uma “comunidade de residentes japoneses” num interessante estágio de desenvolvimento em São Francisco pereceu desgraçadamente no trágico grande terremoto de São Francisco em abril de 1906.Nas cinzas fumegantes, registros preciosos e materiais que relatariam para a posteridade com detalhes íntimos e com os sentimentos da época as vidas e atividades dos trabalhadores shosei e dekasegui nas últimas décadas do século IXX. Mais importante ainda, esse material teria nos mostrado também como esses dekasegui se tornaram issei . Talvez seja por esta razão que o período que vai do final da década de 1880 até fins dos anos 1890 tenha permanecido por muito tempo “inexplorado” na história da imigração japonesa.
A destruição, embora extensa e indiscriminada, não foi total. Felizmente alguns fragmentos sobreviveram. Entre eles, alguns números de jornais e revistas em japonês que os shosei publicavam nos anos 1880 e início da década de 1890. Uma série de artigos publicados em 1892 no Aikoku (Patriotas) , órgão do Nihoniin Aikoku Domei (Liga Patriótica Japonesa) e uma organização shosei, mostram por exemplo de que maneira trabalhadores dekasegui japoneses encontravam emprego em pomares e campos de lúpulo e eram contratados como mão de obra sazonal em lugares como Vacaville, San José e Fresno na década de 1890. E um relatório consular em 1895 revela que o número total de operários japoneses em Vacaville naquele ano atingiu 450.
Porém alguns entre os operários sazonais dekasegui escolheram ficar no vilarejo rural onde encontraram o primeiro emprego pensando em ficar e estabelecer-se ali. A maioria retornava às pensões de japoneses em São Francisco e Sacramento assim que expirasse o seu contrato. Nesses centros urbanos os operários dekasegui aguardavam a próxima chamada do empreiteiro contratante ou de um agente que em geral era o proprietário da pensão ou um shosei empreendedor com um escritório no bairro residencial japonês em São Francisco. Conta-se também que alguns desses operários ficavam em acampamentos pois não tinham dinheiro suficiente para aguardar na cidade.
Nessa pesquisa, eu proponho rever e reexaminar a história dos japoneses nos Estados Unidos (Zai-bei Nihoniin Shi) no final da década de 1880 e na década seguinte com especial atenção ao padrão do movimento migratório dekasegui. Meu estudo concentrar-se-á nas atividades e experiências desses japoneses, shosei e operários dekasegui que vieram para e viveram na área da Baía de São Francisco. Sempre que possível minha pesquisa será baseada em material encontrado em língua japonesa – registros em arquivos do Ministério do Exterior japonês, jornais e revistas publicados por residentes japoneses e registros de organizações. Esses documentos foram até agora ignorados pela maioria dos pesquisadores americanos por não conseguirem utilizá-los .